domingo, 27 de setembro de 2009

Passado. Presente. Futuro? Obviamente!



Andava ao sabor do vento. Dia após dia num virar de folhas constante suspenso no calendário. Permitia que o destino me desse a mão, e me levasse por becos, travessas, ruas de calçada, numa fuga clara e apresada do direito ao livre arbítrio. Mesmo assim não me mostrava preocupada, e deixava-me ir, embalada pela falta de poder escolha. E o tempo, sempre o mesmo apressado, continuava a roubar eternidade ao momento. O compasso marcava um tic tac no bater do coração, que pedia, exigia a liberdade, para la da respiração, para la da humidade que transborda dos meus olhos na despedida, para la do verdadeiro sentido da nossa canção. E mantinha a linha que nos separava suspensa, diminuía a distancia a cada flash da retina ocular, em pequenos focos de imagem, em pequenos cruzamentos de viragem que nunca sabia onde iam dar. Nunca sabia onde me iam levar, e no entanto viajava neles,e sem sequer me queixar deixava o barco velejar de velas soltas, pela brisa que não fustigava, mas mesmo assim me fazia avançar. Mas o vento já não sopra norte e agora que o barco atracou no cais, saiu e vou pelo meu pé, ante pé, de algodão, para não interromper o sussurrar da asa que paira agora livre, dourada, numa linha que o por-do-sol traçou. E as noticias correm agora soltas pelas bocas, afia a língua a inveja, que mesmo não tendo os anos vincados na pele, acha-se no direito de por nas alheias vidas pozinhos de canela. Mas o que não me toca passa-me ao lado, e os meus pés Finalmente caminham sem medos, sem consciências ou moralismos, sem o resto do meu corpo notar o mapa das estradas por que caminho. E Sigo agora outra direcção, uma que descobri quando menos procurei. Sigo agora para o sitio onde tudo nasce vindouro, onde o próprio paraíso fica aquém, onde a ilusão não faz sombra á realidade, e as palavras não são um turbilhão, são certezas, são vontades, são prioridades nas horas em que o corpo chama pelo que trago comigo ao coração. São loucuras vibrantes que se desprendem da razão, contrariam a gravidade, e sobem rumo ao céu, opaco e distante, mas agora tão ao alcance da minha mão(...)
"E dizes que sou a estrela que te guia, mas foste tu que me deste o céu para brilhar."

8 comentários:

  1. O amor cobre e descobre o seu rosto feliz
    Um beijo anda solto de um sopro puro
    Dois amantes dividem uma maré de espanto
    O desamor ergue na vida um frio muro

    Uma estrela do mar percorre o azul
    Uma estrela no céu anuncia a claridade
    Uma longa espera arrocha o peito
    Um suspiro solta a incontida saudade

    Ofereço-te uma estrela do mar


    Mágico Beijo

    ResponderEliminar
  2. mais uma vez as tuas palavras encantam oh ligia :)

    ja eu ando "morto" a imenso tempo.

    beijos.

    ResponderEliminar
  3. e a rima a nos perseguir, como anjos-poetas caídos... o pecado da palavra.

    abç

    Gustavo

    ResponderEliminar
  4. ...Às vezes uma intensa alucinação
    Em que viajas pelo meu eu
    Às vezes o mundo fica em espera
    Da união do mar com o céu

    Onde param os teus anseios
    Onde encontras a sublime calma
    Nestes dias de dura tormenta
    Onde aqueces a tua alma?

    Voa comigo...


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  5. A meiguice dos teus olhos
    Enternece a alma mais dura
    Sei-te em cada batida de coração
    Na verdade da água pura

    A verdade da terra
    De verdadeira verdade se veste a tua alma nua
    O mundo conhece teus passos
    O teu destino impresso nas pedras de uma rua

    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  6. nao sei se o arrepiado foi bom ou mau..mas espero qeu tenhas percebido a dica do meu blog:P

    ResponderEliminar